A constipação é caracterizada pela dificuldade de evacuar. Esse é um quadro observado em quem tem as fezes muito ressecadas e também nas pessoas com frequência muito baixa de evacuação, representada por menos de três vezes na semana.

Com objetivo de auxiliar quem sofre com esse problema, o Dr. Eduardo Usuy, Gastroenterologista, destaca 10 conselhos médicos para evitar a constipação.

1 – Ninguém precisa evacuar todos os dias

Cada organismo tem um ritmo. Algumas pessoas podem evacuar até três vezes por dia e outras de três em três dias. Desde que essa evacuação seja com facilidade e sem nenhum desconforto, isso é normal.

Por isso, caso você não evacue todos os dias, só isso não é considerado um quadro de constipação. Não deve ficar preocupado. Se a frequência estiver dentro de três dias, não há necessidade de tomar medicamentos.

2 – Aumente a quantidade de ingestão de fibras 

As fibras são componentes muito ricos na alimentação. Elas estão presentes principalmente nas frutas, nas saladas e nos cereais. As fibras têm um papel fundamental no bom funcionamento do intestino, e devem ser consumidas com regularidade. 

3 – Aumente a quantidade de líquido

Beba mais líquidos, principalmente água.

O ideal para a saúde digestiva é que a pessoa beba bastante água durante o dia inteiro.

De preferência aos poucos, evitando uma grande quantidade de uma vez só. Evite beber muito líquido antes de dormir. 

4 – Pratique atividade física regularmente

O ideal é que as pessoas praticassem, pelo menos, 50 minutos de exercício por semana. Isso pode ser dividido ao longo dos dias, ou em uma atividade com tempo maior de uma só vez. O importante é manter-se em movimento constante para que a saúde como um todo seja beneficiada.

5 – Não ignore os sinais do seu intestino

Quando tiver vontade de evacuar não segure. Quando a pessoa ignora a necessidade de evacuar, o reflexo é inibido e o organismo vai percebendo cada vez menos esse estímulo.

Essa é uma causa comum de quem sofre com constipação, principalmente nas meninas. 

Essa negação pode ser um comportamento cultural. As pessoas não gostam, e muitas vezes não conseguem, evacuar em um banheiro que não seja o de casa, o problema é que isso prejudica a saúde.

Se sentiu vontade de evacuar, obedeça seu intestino. Isso é importante para manter um ritmo regular.

6 – Crie o hábito de evacuar no mesmo horário

É importante que o organismo se acostume com esse hábito, mesmo que não precise evacuar todos os dias, ofereça a oportunidade ao seu intestino. Conquiste o hábito de evacuar no mesmo horário. 

Para isso, uma dica é aproveitar o momento após a refeição. Existe um reflexo fisiológico, que a gente não controla, chamado de reflexo gastrocólico. Quando o estômago fica cheio, o intestino se contrai.

Por isso, a maioria das pessoas evacua após uma refeição, principalmente pela manhã, quando o intestino está funcionando melhor.

A cafeína é um estimulante para a evacuação, o que contribui para que o hábito de ir ao banheiro sempre no mesmo horário se torne uma prática.

A dica é: Depois do café da manhã permaneça sentado por até cinco minutos no banheiro. Não leve celular, livros ou algo para se distrair. 

Não é necessário fazer força, pelo contrário. Forçar a evacuação pode trazer outros problemas.

Caso não evacue neste período, pode levantar e só voltar quando tiver vontade. Pode ser que não aconteça nos primeiros dias, mas você estará dando a oportunidade para seu organismo funcionar e evitar a constipação. 

7 – Busque a causa do problema

Busque descobrir com seu médico as causas da constipação. 

Na maioria das vezes são fatores combinados que resultam na dificuldade de evacuar. Por isso, investigar e corrigir os problemas é a indicação para levar ao tratamento adequado.

8 – Evite o uso de laxantes sem necessidade

Não use medicamentos para evacuar sem necessidade, porque isso se torna apenas uma situação paliativa sem resolver as causas. 

9 – Tratamento individualizado

O uso de laxante, se for preciso, pode ser o tratamento adequado para algumas pessoas, desde que seja prescrito pelo médico.

O que não deve ser feito é depender exclusivamente dos medicamentos sem tratar as causas e não fazer nenhum tratamento. Quando o intestino estiver muito preso pode trazer outras complicações.

Desta forma, o acompanhamento individualizado é o recomendado, é o médico que saberá indicar a dose e todo o protocolo.

10 – Acredite no seu médico

Confie no tratamento orientado pelo profissional. Se você não está 100% confiante procure outro médico, ouça uma segunda opinião. 

Na maioria das vezes esse é um problema crônico e que não vai ter uma cura completa ou um tratamento que resolva o problema para sempre.

A pessoa deve seguir todas as orientações do médico. Essas dicas fazem parte do tratamento, que deve ser seguido para o resto da vida.

O importante é realizar um acompanhamento que vai oferecer mais qualidade de vida. 

Sinais de alerta que acompanham a constipação

O organismo indica que as coisas não estão bem quando ele envia alguns alertas. Esses sinais de atenção sugerem que a pessoa deve procurar atendimento médico para investigar o quadro por completo:

1 – Sangramento + constipação

Nenhum sangramento nas fezes é normal. Principalmente quando atrelado ao fato de haver constipação. Procure atendimento médico sem perder tempo!

2 – Febre + constipação

A constipação associada à febre pode ser sinal de algo que precisa ser investigado. O médico sinaliza quais os exames que o paciente deverá realizar para fazer a correta avaliação.

3 – Fraqueza + constipação

Quando a constipação está associada à fraqueza, principalmente de início repentino, deve ser investigada. Pode ser um indício de outras doenças, principalmente de anemia, que seria uma consequência de outros problemas como a perda de sangue nas fezes, indicando algum problema mais sério.

Acompanhamento médico é essencial

A constipação pode ser amenizada e tratada, principalmente quando você inclui bons hábitos de saúde em busca da solução deste problema. Prática de exercícios, alimentação equilibrada e bons hábitos serão sempre uma boa base para viver melhor. 

E lembre-se, não faça uso de medicação sem prescrição médica, e conte sempre com o acompanhamento de um médico de confiança.

Dr. Eduardo Nobuyuki Usuy Junior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *